quarta-feira, 15 de julho de 2015

Exterminaram o futuro

Sim, esse é o cartaz oficial do filme...
A onda de revivals dos anos 1980 e 1990 parece não ter fim em Hollywood. Só esse ano já revimos no cinema a franquia MAD MAX e JURASSIC PARK e agora TERMINATOR (e vem mais por aí). Falta de originalidade nem sempre é a questão. Na verdade, os executivos da indústria de entretenimento americana sabem muito bem o que fazem quando solicitam e/ou aprovam um projeto como esse. O que importa é a grana que entra, só isso. Qualidade e respeito aos fãs passam longe aqui. Salvaguardando um ou outro lançamento, no geral esses remakes são uma bomba. Por isso mesmo fiquei com muito receio do que poderia ver nessa nova (sic) visita ao universo criado por James Cameron há mais de 30 anos. O mesmo receio, aliás, que tive com JURASSIC WORLD (não confirmado, conforme vocês podem ler aqui). Infelizmente, meus medos se concretizaram e eu saí do cinema com uma baita vontade de reassistir tanto o filme de 1984 quanto a sua excelente sequência de 1991 (sequência essa que deveria ter encerrado a franquia para sempre).

Já nos trailers que vendiam o filme eu já pressentia que coisa boa não viria por ai, mas fã como sou da franquia (mesmo do mais fraco TERMINATOR 3: RYSE OF THE MACHINES) e até curioso para ver onde essa outra "linha do tempo" que eles criaram poderia chegar, e também ainda extasiado com o novo Jurassic Park, digo, World, resolvi arriscar. Antes eu tivesse dado ouvidos a meus instintos. Não que o filme seja ruim 100%. Ele tem ótimas sequências, mas sobretudo aquelas que fazem referência direta ao filme de 1984, inclusive utilizando o mesmo posicionamento de câmera e edição utilizados por Cameron. Ponto para o diretor Alan Taylor. Mas só. Até mesmo as (poucas) referências ao filme de 1991 e também ao finado seriado "The Sarah Connor cronicles" são totalmente dispensáveis.

Nesta nova, digamos, aventura, começamos com a aparente derrocada da toda poderosa Skynet no ano de 2029 por John Connor e seu exército, que toma as instalações do inimigo onde foi construída a máquina do tempo, e que minutos antes fora utilizada para enviar o temido T-800 no encalço de Sarah em 1984. Eis que Kyle Reese se oferece para voltar no tempo e salvar a mãe do "salvador". John, que já sabe que aquele soldado é seu pai, o envia então, mas é atacado por alguém que descobriremos um pouco mais adiante que se trata da própria Skynet personificada como humano.

Reese (Jai Courtney, da série SPARTACUS) chega em 1984 mas ao invés de ir salvar Sarah, é ela quem salva do ataque de um T-1000 (!!!), que foi enviado para intercepta-lo. Sarah, aqui interpretada, aliás, mal interpretada pra caramba por Emilia Clarke (a Kaleese de GAME OF THRONES) é ajuda por ninguém menos do que um outro T-800, o próprio Arnold, velhão, mas ainda chutando muitas bundas. Sim, velho, porque a matéria orgânica que envolve o androide envelhece (apesar de se regenerar com muita facilidade)!!! Esse T-800 foi enviado sabe-se lá por quem do futuro para proteger Sarah ainda criança contra um ataque de um T-1000 (o que nos deixa confusos e nos perguntando por que afinal não enviaram um T-1000 para matar a avó de Sarah logo de uma vez...). Confuso, assim como os espectadores, Reese aceita o plano de Sarah e do T-800 carinhosamente apelidado de "Papis" (me lembrei muito do Kiko nessa hora) para entrar numa máquina do tempo construída por eles e ir ao dia do Julgamento Final em 1997 e matar a Skynet antes que ela "acordasse", mas Reese, que obteve novas memórias enquanto viaja ao passado, afirma que a data do Juizo Final foi adiada para 2017 e convence Sarah disso.

Ok, ok, ok. Por que 2017? Por que não 2015, ano do lançamento do filme? Não sei. Algo que os roteirisas Laeta Kalogridis e Patrick Lussier precisam explicar. Mas, no filme, é o ano em que o sistema operacional GENISYS entrará em ação. E GENISYS nada mais é do que a Skynet. Só isso.

Tudo seria até muito fácil não fosse a presença de John Connor (Jason Clarke) em 2017. Sim, o próprio salvador! Mas não o John Connor de 2017, porque, afinal, ele não existe, já que Sarah e Reese viajaram no tempo antes mesmo do menino ser concebido. E sim o John do futuro, o John que vimos ser atacado enquanto Reese estava na máquina do tempo.  O John que agora não é mais John e sim um super androide modificado pela Skynet e que está ali para garantir que nada atrapalhe seus planos. Mas se John nunca nasceu, quem é ele, não é verdade?

Ah, essas linhas do tempo paralelas. As mesmas que Doc Brown nos explicou em DE VOLTA PARA O FUTURO, lá em 1985, e que só servem para dar um nó na cabeça de quem curte ficção científica. Melhor parar por aqui...

TERMINATOR: GENISYS é um bom filme de ação, e só. Incursões de comédia num filme que deveria ser sombrio (como foram os de 1984 e 1991) deveriam ter sido banidas do corte final, ou sequer terem sido escritas. Um casting que fizesse juz a Linda Hamilton e Michael Biehn seria também o mínimo que se esperar. Isso sem falar no desperdício que foi ter J. K. Simmons (ganhador do Oscar esse ano por "Whiplash") no elenco; um personagem que não serviu absolutamente de nada à estória.

Para não dizer que não falei das flores, a luta do velho T-800 com o novo T-800, recém chegado em 1984, foi antológica e deveras bem feita. Palmas para o diretor e para toda a tecnologia empregada ali.

Que não venham mais sequências de TERMINATOR. Este aqui não agregou valor algum à franquia. Agora, com licença, vou ali assistir o blu-ray de O EXTERMINADOR DO FUTURO 2.


segunda-feira, 6 de julho de 2015

Um ano do barulho, recheado de aventuras radicais!

Na última sexta-feira o mundo (sim, o mundo!) comemorou os 30 anos de lançamento de "DE VOLTA PARA O FUTURO", um clássico redondinho que virou mania e recebeu duas ótimas sequências (em 1989 e 1990) e que na década seguinte viria a ser um clássico da Sessão da Tarde. O que muita gente não se lembra, no entanto, é que o ano de 1985 também trouxe a nós, amantes do entretenimento, muitos outros filmes que se tornariam também verdadeiros clássicos da Sessão da Tarde na década seguinte (sim, porque nos anos 1980 os clássicos eram filmes maravilhosos como SETE NOIVAS PARA SETE IRMÃOS, AS SETE FACES DO DR. LAO, SEXTA-FEIRA MUITO LOUCA (aquela com a Jodie Foster menina ainda), BENJI, O PÁSSARO AZUL, TUBARÃO (sim, mandíbulas e sangue eram permitidos no horário aquela época!) e todos os filmes de Jerry Lewis e de Elvis Presley).

O ano de 1985 foi tudo aquilo que a industria do cinema gostaria de ser todos os anos. A década estava chegando à sua metade, o mundo ainda estava em conflito (mais regionalizados, é verdade, mas ainda assim preocupantes), e a hegemonia dos EUA sobre o ocidente era cada vez mais forte. E justamente por isso Hollywood teve grande crescimento nesta década, principalmente nas mãos de produtores e diretores como Steven Spielberg, que elevavam o mantra "Cinema é a maior diversão" às alturas.

Dezenas de filmes, alguns deles elevados quase imediatamente à categoria de clássicos, foram lançados em 1985. Abaixo faço uma listinha com alguns deles (não estão em ordem de importância, nem de lançamento):


D.A.R.Y.L.

Bem antes de Spielberg estragar a obra visionária de Kubrik (sim, gênios também erram), Barret Oliver (de "A história sem fim" e "Cocoon") deu vida a um simpático robô humanoide que, apesar de ter sido desenvolvido como uma arma de guerra e espionagem (ei, estávamos na Guerra Fria!), só queria ser amado.





DE VOLTA PAR AO FUTURO

O que falar mais sobre as aventuras de Marty Mc Fly e Doc Brown?!





A COR PÚRPURA

Spielberg atinge a maturidade como diretor nesse drama belissimo estrelado por Whoopie Goldberg e que conta com Denny Glover e a toda poderosa Oprah Winfrey no elenco.





COMANDO PRA MATAR

O cinema brucutu estava com tudo e Arnoldão chutava bundas e explodia tudo o que podia para resgatar sua filha (a promissora Alissa Milano) das mãos de um ditador de uma republiqueta de bananas.




COCOON

Quem poderia imaginar que a vida poderia recomeçar aos 80 anos? Com a ajudinha de extra-terrestres, esse simpático grupo de velhinhos de um asilo na Flórida curtiu a vida adoidado! A saudosa Jessica Tandy encabeçava o elenco.





CLUBE DOS 5

Clássico dos clássicos dos filmes "teen". John Hughes era O CARA.





A LENDA DE BILLIE JEAN

Antes de ser a Super-girl nos cinemas, Helen Slater foi a rebelde com causa Billie Jean, e tudo o que ela queria eram U$ 500 para consertar a moto quebrada de seu irmão, Christian Slater.



Não consegui achar o trailer do filme, então vai ele inteiro ai em cima.



A HORA DO ESPANTO

E se sua vizinha, a garota do outro lado da rua, fosse uma vampira? É isso ai.




OS GOONIES

 Spielberg e Richard Donner criaram o Clássico dos clássicos da aventura. Quem não queria ser um goonie e sair em busca de um testouro pirata?




O FEITIÇO DE ÁQUILA

"Dia sem noite. Noite sem dia." Essa profecia era a salvação para o ex-capitão Etiene Navarre e sua amada Isabeau D'Anjou, fadados a viver sempre juntos, mas eternamente separados, enquanto de dia ela era um falcão e a noite ele era um lobo negro.





O ENIGMA DA PIRÂMIDE

Com uma extrema licença poética, esse filme contava como Sherlock Holmes e Whatson se conheceram, ainda na escola, e partiram para sua primeira aventura para solucionar um mistério.




PROCURA-SE SUSAN DESESPERADAMENTE

Debut de Madonna no cinema, todos a procuravam desesperadamente. O filme em si é uma bela porcaria, mas vale de curiosidade para rever a rainha do pop em início de carreira.





O PRIMEIRO ANO DO RESTO DE NOSSAS VIDAS

O diretor Joel Schumacher mostrou com delicadeza o reencontro de sete amigos de escola e sua luta para amadurecer.





A PRIMEIRA TRANSA DE JONATHAN

Ambientada nos anos 1950, essa deliciosa comédia mostra as desventuras de um adolescente em busca de seu lugar ao sol.





PORKY'S CONTRA-ATACA

O terceiro capítulo da saga dos alunos excitados de Angel Beach High foi lançada aquele ano, mas muito, muitíssimo inferior tanto ao segundo (1983), como principalmente ao segundo filme, de 1981.




MULHER NOTA 1000

Dois garotos "loosers" resolvem criar a mulher perfeita em seu poderosíssimo computador e eis que surge Kelly LeBrock (no auge de sua forma) para apimentar a vida dos punheteiros.

Uma curiosidade: Denny Elfman ainda não era o grande compositor e parceiraço de Tim Burton no início dos anos 1980, mas sua banda OINGO BOIGO fazia muito sucesso e a música tema do filme, WEIRD SCIENCE, era um dos hits que tocaram em todas as rádios pop do mundo a partir daquele ano.




FÉRIAS DO BARULHO

Johnny Depp ainda não era ninguém em Hollywood quando estrelou essa divertida comédia recheada de sensualidade e personagens lendários em um resort de verão. "Baba Hamanana, venha a mim...!"



MAD MAX 3 - ALÉM DA CÚPULA DO TROVÃO

Tina Tunner era a grande surpresa de filme que encerrou a trilogia de Max pelo mundo distópico pós-apocalíptico do diretor George Miller.



A TESTEMUNHA

Harrison Ford é um policial que precisa proteger um garoto Amish, única testemunha de um crime, até o dia do julgamento.  O choque de culturas vai mexer com ele.



FÉRIAS FRUSTADAS NA EUROPA

Chevy Chase está de volta no comando da família Grinswold, agora em viagem pelo antigo mundo. Uma comédia menor do que o grande clássico de 1982, mas ainda sim garante boas risadas.



SILVERADO

Os filmes de faroeste estavam há muito esquecidos quando Lawrence Kasdan nos trouxe essa bacana  aventura de quatro amigos que defendem uma pequena cidade contra bandidos. No elenco estão Kevin Kline, Rosanna Arquette, Scott Glenn, John Cleese. Kevin Costner e Denny Glover.



SEXTA-FEIRA 13 PARTE 5

Jason está de volta na quinta parte dessa sangrenta antologia de terror, agora ambientada num sanatório.



ROCKY 4

Rocky aceita o desafio de vingar a morte de seu amigo e treinador Apolo Creed e enfrentar o russo He-Man, digo, Drago (Dolph Lundgren). O filme é uma propaganda descarada da supremacia yankee sobre os russos comunistas, mas ainda é bem legal.



RAMBO 2

Foi o ano do Stalone no cinema. Além de dar vida novamente a Rocky, ele voltou, mais sarado e carrancudo do que nunca, a pele de Rambo, agora muito mais armado e muito mais perigoso.



A PROMETIDA

Sting dá vida ao sedutor (sic) dr. Frankenstein, que cria uma noiva para seu monstro, mas ao apaixonar-se por sua criatura, dá início a um improvável triangulo amoroso.



TUFF TURF - O REBELDE

James Spader debutou no cinema na pele do playboyzinho rebelde e sem causa. É só isso.



A HORA DO PESADELO 2

Freddy Krueger está de volta e com cede de vingança. 



A JÓIA DO NILO

Michael Douglas e Kathleen Turner estão de volta nessa continuação menor do sucesso de 1984, Aqui eles se vêem involuntariamente a resgatar um guru das mãos de um ditador no oriente médio.





O SOL DA MEIA NOITE

O bailarino Mikhail Baryshnikov estrela um filme quase auto-biográfico sobre um expatriado soviético que se vê novamente na Rússia e é obrigado a voltar a dançar pelo Bolshoi.

A música SAY YOU, SAY ME, de Lionel Richie virou chiclete nos ouvidos naquele ano.




007 NA MIRA DOS ASSASSINOS

Roger Moore é pela última vez o agente britânico com permissão para matar. Aqui, James Bond temq que impedir um maluco de destruir o Silicon Valey na California.

Ocorreu um erro neste gadget